Eu morri.

não sou mais

Dizem que todos morremos aos 27 anos. Que as dores de existir batem tão profundamente que alguns não aguentam e partem. Outros, precisam se reencontrar.

Aos 27 eu estava muito ocupada realizando uns dos maiores sonhos da minha vida e não consegui dar atenção ao que estava acontecendo. Mas quase no final, a morte me atingiu e mostrou que eu não estava imune ao ciclo.

Eu morri.

Ali, em meio as árvores que tanto sonhei, estava eu. Deitada e imóvel à dor de viver, de ser e de sentir. Com muito carinho e amor de alguns que me querem bem, eu levantei para continuar o que precisava. Mas eu nunca mais fui a mesma.

A dor de estar perdida, machucada e profundamente magoada não passou e agora preciso descobrir como renascer.

“Cai 7 vezes e levantei 8.”

Porém, levantar está difícil. Eu não sei mais quem sou ou para onde devo caminhar.

Procurei tudo que já me vez bem, tudo que já me puxou para a luz. Mas nada parece funcionar. Então espero.

Espero que a dor se vá, que a resposta apareça e eu descubra debaixo de toda essa tristeza, quem agora sou.